ELVAS: NÚMERO DE “OCUPADOS” DETURPA NÚMEROS DE DESEMPREGADOS”

ELVAS: NÚMERO DE “OCUPADOS” DETURPA NÚMEROS DE DESEMPREGADOS”

24/09/2018 1 Por Helena Neves *Coordenadora da União de Sindicatos do Norte Alentejano

Centrando-me nos números do desemprego em Elvas, para termos uma ideia de que forma o número de ocupados deturpa o de desempregados basta olharmos para o que foi divulgado para o concelho de Elvas. 

Em Junho deste ano, o IEFP revelava um total de 1266 desempregados no concelho, mas um total de 1619 pessoas desempregadas mais ocupadas. Significa que 353 pessoas saíram dos números do desemprego, continuando na prática desempregadas, num estágio, ou a esgotar desemprego num qualquer local de trabalho da administração pública; município, junta de freguesia, escola, ou centro de saúde.

Ocupam assim, um posto de trabalho permanente que, a corresponder a um vinculo efectivo de trabalho, baixa realmente os números do desemprego.

Só com a conversão de vínculos precários em vínculos efectivos, com salários dignos, combatendo a exploração e o empobrecimento é que se conseguirá melhores salários, que conduzem a maior poder de compra, determinante para o crescimento da actividade económica.

Saliento que a somar aos milhares de trabalhadores que ganham o salário mínimo nacional juntam-se todos aqueles que, cumprindo funções de carácter permanente, muitos deles, num horário completo, 5 dias por semana, ganham cerca de 200 ou 300 euros, através de um contrato de emprego e inserção, num estágio, ou qualquer outro programa ocupacional.

A precariedade continua a aumentar e já atinge 900 mil trabalhadores em todo o pais; 42% dos jovens até aos 35 anos têm um vínculo de trabalho precário.

Os números falam por si, mas é importante ter em atenção as suas consequências. Milhares de pessoas trabalham na iminência do desemprego, sem rendimento fixo, sem possibilidade de acesso a crédito para compra de habitação ou carro, sem a possibilidade de planear o seu futuro e o da sua família.