CÂMARA DE ÉVORA AUSCULTA EMPRESÁRIOS DO TURISMO SOBRE APLICAÇÃO DE TAXA MUNICIPAL TURÍSTICA

CÂMARA DE ÉVORA AUSCULTA EMPRESÁRIOS DO TURISMO SOBRE APLICAÇÃO DE TAXA MUNICIPAL TURÍSTICA

10 de Abril de 2019, 11:11h 0 Por Redação

No Salão Nobre dos Paços do Concelho, no dia 9 de abril, decorreu uma reunião de auscultação dos empresários e associações do setor do Turismo sobre a eventual criação de taxa turística para o concelho de Évora.

O Município está a estudar a eventual aplicação de uma taxa turística sobre as dormidas, de forma a, entre outras possibilidades de utilização desta receita, incrementar a promoção turística, oferecer melhores condições e serviços públicos a quem visita a cidade, minorar aos residentes e empresas os custos dos serviços públicos prestados aos turistas.

Neste sentido, previamente ao início de qualquer procedimento conducente à criação da referida taxa, considerou-se essencial envolver os agentes económicos diretamente ligados à área do turismo, comprometendo-se o presidente a desenvolver os necessários estudos e a apresentar as suas conclusões posteriormente a qualquer decisão pelos órgãos municipais.

Esta sessão contou com o contributo do Dr. Jaime Serra do Laboratório de Turismo do CIDEHUS/Universidade de Évora que apresentou um estudo realizado sobre o perfil do visitante do centro histórico de Évora o qual permitiu tirar conclusões acerca do grau de satisfação com os atributos/serviços da cidade.

Esta reunião marcou o início de um período de reflexão, tendo o Presidente da Câmara sublinhado que ainda nada foi deliberado acerca da criação da taxa municipal turística e que haverá outros momentos de discussão sobre a questão.

Estiveram presentes representantes de cerca de três dezenas de empresas do setor que tiveram oportunidade para expressarem as suas opiniões acerca da matéria em causa.

O número de turistas e visitantes na cidade de Évora tem vindo a crescer de forma consistente, com os naturais impactos, principalmente ao nível do aumento da oferta turística com efeitos económicos e sociais, mas também com pressão sobre os equipamentos, infraestruturas e serviços municipais.