31/05/2023 | 23:50

TV Guadiana

Alentejo em Direto

DRCALENTEJO E CABIDO DA SÉ DE ÉVORA: CONCERTO INAUGURAL DO ÓRGÃO RENASCENTISTA RESTAURADO

DRCALENTEJO E CABIDO DA SÉ DE ÉVORA: CONCERTO INAUGURAL DO ÓRGÃO RENASCENTISTA RESTAURADO

A Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlentejo) e o Cabido da Sé de Évora vão organizar o concerto inaugural do órgão renascentista da Catedral de Évora, que se encontra agora totalmente restaurado. O evento terá lugar no dia 13 de maio, às 16 horas, e a entrada é livre, sujeita à lotação do espaço.

Este órgão, além de ter uma importância musical inestimável, é também um património cultural, histórico e artístico de grande valor. É um dos mais importantes do património organístico português e tem uma longa história que remonta ao século XVI. Ao longo do tempo, o órgão foi alvo de várias intervenções, sendo a mais significativa aquela realizada em 1760 por Pascoal Caetano Oldovino, que remodelou a estrutura mantendo a maior parte dos seus tubos do século XVI e reconstruindo apenas os que eram considerados necessários. Em 1967, o órgão foi restaurado pela firma Flentrop, um trabalho de grande qualidade que se tornou num modelo para os projetos de restauro internacional da época.

O mais recente restauro do órgão da Catedral de Évora ocorreu entre 2021 e 2022 e foi realizado pela empresa italiana Ditta Artigiana Formentelli SAS. Os organeiros envolvidos no projeto são de reconhecimento internacional e profundamente conhecedores da estética italiana, o que torna este restauro num trabalho de elevado profissionalismo e qualidade.

 
cartaz

Este órgão é também conhecido no Japão desde o século XVI, graças à Missão Tensho, a primeira embaixada japonesa que se dirigiu à Europa com destino a Roma. A embaixada deslocou-se a Évora em 1582 e tocou neste órgão, ficando muito impressionada com a sua sonoridade. Atualmente, são muitos os japoneses que se deslocam a Évora para ver e ouvir o órgão, onde os seus antepassados nobres tocaram.

O restauro do órgão renascentista da Catedral de Évora foi possível graças a uma parceria que envolveu diversos intervenientes, incluindo a Arquidiocese de Évora, a Associação Kamakura Portugal, a Cidade de Oita – Embaixada do Japão em Portugal e a DRCAlentejo. Este trabalho representa um importante passo na preservação deste património cultural e musical de inestimável valor para Portugal e para o mundo.

Facebook
Twitter
YouTube
Instagram